terça-feira, 5 de julho de 2016

SAIBA COMO ALUGAR LENTES FOTOGRÁFICAS

É POSSÍVEL ALUGAR UMA LENTE DE USO ESPECÍFICO PARA MINHA CÂMERA?

Cliente avaliando a lente Canon 100/400mm, disponível para locações.

Antes de responder a pergunta que abre este post vamos fazer um exercício de imaginação:" Um amigo te liga e informa que acabaram de encontrar um ninho daquela espécie de ave que você persegue a anos, poderia ser um Gavião de Penacho ou ainda uma Harpia. Mas para salvaguardar o ninho a aproximação máxima permitida é de uns 300mts. Sem pestanejar você apanha sua câmera e a sua poderosa lente 75/300mm e parte em busca do Eldorado!
Chegando ao local você descobre que 300 metros é bem mais do que pensava que fosse e as condições de luz no ninho não são nem um pouco favoráveis. A sua "poderosa" começa a parecer brinquedo de criança, comparada as PODEROSAS 500mm dos fotógrafos ao lado. Uma lente 100/400mm já seria uma mão na roda, talvez um TC e trabalhando em Foco Manual,mas...desta vez não deu!
Poderíamos imaginar dezenas de outras situações sofríveis como esta mas vamos nos limitar ao sofrimento gerado até aqui.

Tovacuçu fotografado com a 100/400mm - EOS 5D MII
Agora, respondendo a pergunta inicial: "SIM, É POSSÍVEL ALUGAR LENTES!"
E  não apenas lentes tele-objetivas, mas também grande angulares, macros, além de flashes e demais acessórios como tripés e steadycam.
Este tipo de serviço não é novidade, já conhecia o mesmo a alguns anos mas sempre era oferecido para empresas e com valores quase impraticáveis.
Por sorte isto está mudando...


A pouco mais de 01 ano procurei a empresa Tema Técnica em Campinas, de onde sou antigo frequentador, seja para manutenção em meus equipos. de estúdio e fotográficos, como para compra dos mesmos. Na ocasião levei minha teleobjetiva Sigma 120/300mm para revisão e comentei com o William, grande amigo e proprietário, que estava pondo esta lente a venda. Na ocasião ele me falou sobre seus planos de começar com este serviço de locação de equipamentos.
Achei a ideia fantástica mas acabei me distanciando um pouco das fotos de Natureza e nunca tive a oportunidade de utilizar esta modalidade de locação.

Inhambuguaçu fotografado na Trilha dos Tucanos em Tapiraí
Mas o Universo conspira e logo surgiu uma oportunidade fantástica! Iria realizar um trabalho em Sorocaba e aproveitaria para passar um dia fotografando na Trilha dos Tucanos, em Tapiraí, distante apenas uns 70 Km desta cidade. Acompanho a reserva pelo Facebook e sabia que várias espécies "difíceis" estavam dando mole no local. Conversei com o William novamente e optei pela lente Canon 100/400mm. Achei a escolha excelente pois fazer trilha com uma 500 ou 600 mm nas costas é coisa para espartano, sem contar que a agilidade necessária para fotografar espécies arredias acaba desaparecendo, limitada pelo uso do tripé.

Saracura do mato

Pula-pula ribeirinho
O procedimento necessário para a locação tem início com um cadastro, feito antecipadamente, junto a empresa. Você pode ligar nos telefones: (19) 3232-0814 / 3232-7255 e eles irão lhe explicar detalhadamente como proceder.
Os valores são bem camaradas e vão de R$ 50,00 a R$ 250,00 a diária, dependendo é claro do equipamento e do tempo de permanência com o mesmo. As diárias são na verdade de 03 dias, ou seja, se você retirar o equipamento em uma segunda feira poderá devolver o mesmo na quarta-feira. Aos finais de semana podem ser retirados na sexta e devolvidos na segunda-feira posterior.
São valores bem interessantes quando pensamos nos preços destes equipos. Uma lente 100/400mm não saí por menos de R$ 8000,00 nova e uma usada gira em torno de R$ 4500,00.
Vale lembrar também que possuem equipamentos para NIKON também!
Espero que esta informação ajude agora e que você não sofra mais por não conseguir realizar aquela tão sonhada foto...pelo menos por falta de lentes!

sábado, 13 de fevereiro de 2016

PARQUE ESTADUAL CARLOS BOTELHO - O QUE MUDOU NESTES 03 ANOS...

P.E. CARLOS BOTELHO EM S. MIGUEL ARCANJO

A entrada do parque pela sede em S. Miguel Arcanjo
Depois de 03 anos conseguimos voltar ao P.E. Carlos Botelho e não sabíamos o que iríamos encontrar desta vez. Como sempre as informações na web são bem restritas e salvo o site oficial do mesmo, poucas são as publicações que abordam sobre o local ( o nosso blog é um dos poucos, o que explica a grande quantidade de acessos ainda a esta publicação de 2013).
Pretendíamos fazer uma trilha e depois conhecer as vinícolas que encontram-se no entorno do parque.


Como estávamos em Araçoiaba da Serra saímos por volta de 7:30hs em um percurso previsto com 60 min. de duração...Isto se não ficássemos parando para fotografar cada ave ou animal que cruzasse a estrada.

Gavião-carrapateiro degustando uma pequena cobra (não sei se foi ele quem a abateu)
 O caminho até S. Miguel Arcanjo é bem tranquilo mas a estrada estava em péssimas condições e em alguns trechos tivemos alguns sustos com caminhões na contramão, buscando desviar-se de  verdadeiras crateras na pista, portanto...Atenção!
A partir de S. Miguel as indicações para o parque estão em todo o lugar,é muito difícil errar o caminho.



Ao chegarmos ao parque começaram as surpresas! Primeiro foi pelo número de visitantes.
Em 2013 haviam pouquíssimos visitantes na sede e praticamente ninguém realizando alguma atividade de ecoturismo, desta vez encontramos uma verdadeira fila de veículos na portaria e uma legião de turistas na sede. Haviam pessoas saindo com guias para trilhas, outras conhecendo a sede e a estrutura do receptivo da mesma, muitas pessoas saindo de bikes, e alguns apenas se informando e seguindo pela estrada que corta o parque.
E esta foi a nossa segunda surpresa do dia!!
Quando estivemos lá em 2013 a estrada era de terra e cheia de cascalhos. Não chegamos a percorre-la na época mas pelo pouco que pudemos ver parecia ser bem complicado atravessar o parque.
Desta vez encontramos a mesma PAVIMENTADA, foram usados bloquetes de concreto e as obras se finalizaram em 2015, portanto ainda está bem conservada.

A estrada em 2013, a poucos metros da sede em S. Miguel Arcanjo

A estrada em 2016, a poucos metros da foto anterior
Achamos melhor nos informar na sede sobre as opções de passeios e descobrimos que as trilhas agora só podem ser feitas com a acompanhamento de guias do parque.
Descobrimos também que todas as despesas no parque só podem ser pagas em DINHEIRO, não aceitam cartões e nem cheques. Fique esperto e vá preparado caso pretenda contratar algum guia.
É cobrado um ingresso de R$ 12,00 e novamente acho muito justo a cobrança. O receptivo conta com banheiros limpos e água potável gelada, além do atendimento atencioso dos funcionários.
Optamos por não fazer a trilha e conhecer a estrada do parque de carro, parando nas atrações que encontrássemos pelo caminho.
Mas enquanto conversávamos com o atendente fomos interrompidos por um ruidoso bando de Tucanos-de-bico-verde, que acabavam de pousar em uma goiabeira, ao lado de sede. Nem precisei de uma poderosa tele-objetiva para fotografa-los em diversos ângulos.





Seguindo pela estrada a poucas centenas de metros da sede chegamos a Bica d´água e o Rio Taquaral.No local hoje existe um ponto de partida para prática de boiacróss e o serviço é oferecido pela Operadora Muriqui Ecoturismo e além deste serviço oferece diversas outras atividades ligadas ao parque e entorno.



Seguimos pela estrada e constatamos algo que nos desagradou. Não existem pontos para parada de carros, apenas alguns pequenos bolsões com alguns quiosques e muuuiitaaaaa gente nestes.
Pequenas cachoeiras ao longo da estrada e áreas de vegetação magnífica podem ser vistas apenas através das janelas do carro e sempre em movimento pois atrás (sempre) vem gente.
Não achamos apropriado chegar ao final dos 33 km da estrada que corta o parque, pois pretendíamos ainda conhecer as vinícolas e nesta região as chuvas são constantes e inesperadas.







Algumas paradas pelo caminho,uns 15 km percorridos e voltamos para S. Miguel Arcanjo...destino: as vinícolas!

domingo, 13 de dezembro de 2015

COXINHA DE PATO A MINHA MANEIRA...

Se você é daqueles que acham patos muito fofinhos...não leia este post!



Faz muito tempo que tenho vontade de preparar algum prato com Pato e sempre acabei me desanimando pois todos diziam que era muito difícil, que a carne é estranha, a textura não agrada, etc...
Resolvi testar estas opiniões e a receita escolhida foi uma Coxinha com recheio de Pato assado!
Devo dizer que não achei nada difícil e o sabor não é assim tão exótico quanto eu imaginava. O sabor e a textura lembram algo como um frango caipira e o que manda mesmo é o tempero usado no preparo.
Passo aqui a minha receita e convido aqueles que se interessarem a testá-la:

Recheio de Pato assado

01 Pato inteiro (mas sem os pés, pescoço e miúdos)
700 ml de vinho branco seco
400 ml de água
01 cebola média picada
05 dentes de alho (inteiros e com a casca)
04 folhas de louro
10 grãos de pimenta do reino
01 cenoura média picada
02 talos de Salsão picados
50 gr de bacon picado grosseiramente
50 ml de suco de laranja natural
01 colher de café de sal grosso

Massa da coxinha

02 xícaras do caldo do pato
02 xícaras de caldo de frango ou legumes
04 colheres de manteiga
Orégano
04 xícaras de trigo
Sal a gosto

Clara de ovo
Farinha de rosca

Modo de fazer

Faça uma marinada com o vinho e os demais ingredientes (menos a água e o suco de laranja) e deixe o pato em um bowl coberto por um plástico na geladeira por pelo menos 12 horas.
Em uma panela de ferro refogue o pato já cortado em pedaços (com a pele) e o bacon, reserve. Retire o pato e na mesma panela refogue todos os legumes e temperos, volte a carne e cubra com o líquido da marinada, o suco de laranja e a água .
Tampe a panela e leve ao forno 180º por 2 horas (se não tiver uma panela de ferro use uma assadeira funda coberta com papel alumínio). Após esfriar separe o pato e desfie (descarte a pele).Coe o caldo que sobrou e reserve para usa-lo na massa. Refogue o pato com alho e cebola picados e acerte o tempero.
Em outra panela aqueça os caldos e a manteiga, deixe levantar fervura e acrescente o orégano e o sal. Em seguida acrescente a farinha toda de uma vez e mexa até formar uma bola e soltar do fundo da panela.Deixe esfriar e faça a montagem das coxinhas usando pequenas bolas de massa. Abra as mesmas na palma da mão, coloque uma porção de recheio no centro e feche as mesmas no formato tradicional da coxinha.
Passe primeiro na clara de ovo e depois na farinha de rosca, frite em óleo bem quente.
Espero que gostem!


quarta-feira, 12 de agosto de 2015

COMO PROTEGER O SEU EQUIPAMENTO FOTOGRÁFICO.

ALGUMAS DICAS E SUGESTÕES BÁSICAS DE PROTEÇÃO PARA O SEU EQUIPAMENTO



Ao longo de todos estes anos eu já ouvi e vi as histórias mais terríveis (embora as vezes sejam cômicas) de problemas com equipamentos fotográficos, causados em sua maioria por falta de cuidados básicos ou ainda pela falta de acessórios apropriados e que tem como função a proteção destes equipamentos!
Vale citar que estamos falando de todo tipo de situação, desde uma quebra ocasionada pelo transporte em recipiente não qualificado, uma foto única que se perdeu devido àquele grão de areia que ficou bem no rosto do fotografado ou ainda, daquela viagem difícil até aquele paraíso ecológico longínquo, com uma umidade absurda no ar e que fez com que a sua câmera "apagasse".

Pensem em uma situação absurda como esta!
Mas fiquem tranquilos, é só uma simulação.

Parece besteira falar sobre isto mas é a pura realidade! Conheço pessoas que gastaram milhares de Dilmas (ou mesmo de Obamas) para comprar aquela câmera ou aquela lente prime e não se dignam a comprar uma bolsa decente para transportar o seu equipamento, já presenciei pessoas carregando isto em sacolas plásticas...deu vontade de partir para a agressão.
Em alguns casos a proteção é mais específica, dependendo do ambiente em que iremos fotografar, mas ainda assim não é nada complicado de se conseguir.
Vejamos alguns tópicos:

CUIDADOS COM SUJEIRAS NA TROCA DAS LENTES

Todo mundo que tem uma DSLR já passou por isto...Aqueles minúsculos grãos de pó que insistem em se alojar no sensor de nossas câmeras! Praticamente todos os modelos mais novos de câmeras tem a função "Limpeza do Sensor" incorporado ao seu funcionamento, mas em alguns casos o mesmo não é suficiente para a retirada de sujeiras mais teimosas.
Existem no mercado diversos produtos destinados a limpeza dos sensores, a maioria em formato de uma caneta que retira a partícula através de  eletrostática. Eu nunca usei isto!
Não tenho coragem de tocar no sensor da máquina (algo que equivale a 60% do valor da mesma) com um objeto que muito provavelmente não sei operar com maestria. Prefiro levar a câmera até uma assistência técnica e solicitar a limpeza. Na maioria das vezes cobram valores simbólicos, apenas em casos mais graves é que necessitam desmontar a câmera e isto pode gerar valores mais elevados.
Mas e se você estiver em uma viagem e aparecer o famigerado ponto escuro bem na cara das pessoas fotografadas? Em casos de emergência eu apelo para a minha bombinha fuc-fuc, fiel companheira desde a época das câmeras com filmes.

Minha fiel bombinha Fuc-Fuc e um pequeno pincel de pelo de Marta.

Não estou afirmando que os limpadores modernos não funcionam, apenas que EU não tenho coragem de usa-los.
Podemos ainda tomar alguns cuidados na troca das lentes e que ajudam a minimizar a ocorrência deste problema, tais como:

-Mantenha a abertura para a lente na câmera sempre voltada para baixo, durante a trocas das mesmas.

-Se estiver em área aberta e com correntes de vento, procure usar algum anteparo ou o próprio corpo, para bloquear o vento.

- Antes de retirar a lente a ser trocada, limpe as bordas do acoplamento e áreas adjacentes com um pincel de pelo de Marta ou com uma bombinha de ar.

- Cuidado com a incidência de luz direta no interior da câmera, isto pode afetar o sensor.

TRANSPORTANDO O SEU EQUIPAMENTO

Seja para uma viagem longa ou apenas para aquele passeio no parque aos domingos, SEMPRE leve a sua câmera e os acessórios em bolsas ou cases apropriados para estes equipamentos.
Existem no mercado milhares de modelos para os mais variados fins e necessidades, nos mais variados preços, contemplando a todos os bolsos, portanto sem desculpas!
Eu costumo transportar o meu equipamento em bolsas com divisórias internas e acolchoamento externo (que protegem contra pancadas moderadas), revestidas com tecidos tratados com hidro-repelente (protegem contra respingos de chuva e em uma viagem de barco) e dotadas de alças resistentes, afinal já pensou na hipótese de ver a sua bolsa com milhares de reais dentro dela rolando cachoeira abaixo?

Modelo de bolsa com divisões internas acolchoadas, corpo estruturado e resistente a água. Possui ainda bolsos frontais
para acessórios e compartimento para notebook.

Tenho ainda um case da Vanguard que utilizo em viagens mais longas e para locais mais complicados. Este case é a prova d´água, flutuante, resiste a pancadas fortes e até mesmo a algum esmagamento. Em seu interior possui blocos de espumas moldáveis que acomodam perfeitamente o equipamento.



Case a prova d´água, resistente a pancadas e esmagamento.


PROTEJA A SUA LENTE DE RISCOS E PANCADAS

Eu já cai de cara no chão, com a câmera pendurada a frente do corpo e com a lente batendo no piso rústico, mas a mesma não sofreu nenhuma avaria no vidro. Todo o estrago foi destinado ao meu valente filtro UV que acabou sendo descartado por total falta de condições de uso depois disto!
Uma economia de milhares de reais, pois um filtro destes custa algo em torno de US 15 enquanto que uma lente...

Lente 50mm com filtro UV - A medida da rosca é de 52mm, para cada lente esta medida deve variar.

Estes filtros não alteram em nada a qualidade da imagem e você acaba nem percebendo mais a presença dele após algum tempo.
Existem também alguns tipos de protetores para o corpo da lente, conhecidos como LENSCOAT. A maioria das pessoas que conheço usa mais por questões estéticas, acham "maneiro" aquele tecido camuflado ornamentando as suas lentes, mas a função primordial destes é proteger os anéis externos da lente contra umidade e poeira, que podem penetrar no corpo da mesma e causar mal funcionamento.

Foto: www.naturescapes.net

Outro problema comum nas lentes é o aparecimento de fungos nos elementos ópticos, ocasionados em sua maioria pelo acumulo de umidade. O ideal seria guardarmos os nossos equipamentos em estufas climatizadas, mas isto é muito difícil e dispendioso. Neste caso ajuda bastante manter saquinhos de Sílica nas bolsas e armários onde você guarda os equipamentos.

Saquinhos com Sílica, vem em quase todas as embalagens de produtos eletrônicos.
É tóxica portanto não abra os saquinhos e não coma!

Lembrando que a Sílica satura com o tempo e deixa de absorver a umidade, portanto troque em alguns meses.
Em casos de lentes com fungos no vidro externo a limpeza pode ser feita com álcool isopropílico e um destes lenços de papel usados para limpeza de lentes de óculos. Existem ainda kits próprios para este tipo de limpeza no mercado.

Frasco com álcool isopropílico (comprei em uma farmácia de manipulação) e lenços para limpeza de lentes e óculos.

Coloque algumas gotas do álcool no lenço para limpeza

Passe suavemente sobre a lente em movimentos circulares
Reparem na superfície do vidro onde aparecem "oxidações" ou fungos causados pela umidade.


AMBIENTES COM UMIDADE ACENTUADA, NEBLINA OU NÉVOA.

Já presenciei também fotógrafos que permaneceram horas no meio da mata em dias de chuva fina, e isto fez com que suas câmeras simplesmente apagassem, voltando a funcionar (as vezes de forma precária) apenas alguns dias depois.
Não vamos nos esquecer que toda câmera é um EQUIPAMENTO ELETRÔNICO e estes nunca combinaram com água, vapor ou umidade!
É claro que existem modelos que suportam maior exposição a estes fatores, mas proteção total somente com uma caixa estanque.
Também já ouvi um relato de um fotógrafo que passou toda uma madrugada realizando um timelipse incrível, mas se esqueceu do sereno e isto danificou a sua câmera.
Existem no mercado alguns produtos que se destinam a proteger o equipamento contra umidade e respingos.
Eu uso este que comprei na DealXtreme, feito de tecido sintético a prova d´água e com aberturas para as mãos, facilitando assim o manuseio dos comandos na câmera.




Tenho ainda um colete para fotógrafo feito com tecido tratado com hidro repelente, bolsos com costuras que impedem a entrada de água nos zíperes, onde costumo carregar as minhas lentes e baterias. Mas sempre carrego junto o meu infalível SACO DE LIXO, daqueles de plástico preto mesmo...São enormes e envolvem todo o equipamento, em caso de emergência. Não saia de casa sem o seu!

Meu indefectível Colete, com milhares de bolsos (alguns eu ainda não explorei), resistente a água e respirável.
Foto do amigo Ubaldo B. Filho.


OUTROS CUIDADOS.

Poderíamos ficar falando aqui por horas e sempre faltaria algo a ser colocado, mas acho que por experiência própria já listei os principais. Outros itens como evitar a exposição do equipamento a calor e Sol intensos são básicos mas ainda negligenciados.
Confira sempre as condições das alças dos equipamentos e também das bolsas de transporte. Cabeças de tripés com folgas ou acoplamentos (plates) das cabeças sem firmeza, causam a queda de câmeras e lentes com frequência.
O uso de parasol na lente também ajuda a proteger a mesma contra pequenos impactos frontais.

Confira sempre se o acoplamento entre a câmera e o tripe esta firme e seguro

Parasol não é acessório de beleza, tem a sua utilidade e ainda ajuda a proteger a lente de
impactos frontais.

E acima de tudo...Cuide do seu equipamento com o carinho que ele merece!
Isto parece besteira mas quase ninguém da atenção a este conselho. Parece que comprar outro depois está muito fácil, não é????

terça-feira, 30 de junho de 2015

UM POUCO DE MACROFOTOGRAFIA

OU AINDA...UM PEQUENO ESTUDO SOBRE DESCONSTRUÇÃO DE IMAGENS!

A Exposição Nacional de Orquídeas em Rio Claro - SP
Em primeiro lugar quero esclarecer que este post não aborda técnicas sobre macrofotografia, isto ainda publicarei posteriormente.
Em segundo, quero informar que na ocasião das fotos eu não estava sobre a influência de nenhum chá alucinógeno, feito a base do pólen de alguma flor!

Apenas uma parte da diversidade encontrada em exposições como esta
O que ocorreu é que acompanhei minha esposa a esta exposição, pois as Orquídeas são alvo de sua atenção e esta seria uma grande oportunidade para realizar belas fotos e testar o meu Tubo de Extensão comprado pela Deal Xtreme.

Foto feita com a Canon 7D, lente 50mm-f:1,8 e tubo de 36mm

Foto com a 50mm apenas
Mas o que me motivou a fazer estas fotos foi algo que assisti ha algum tempo e que me impressionou muito...O filme "As crônicas de Spiderwick", em especial a cena onde as fadas e elementais se revelam, saindo do meio das flores que enfeitavam as jardineiras do local!

As fadas e elementais que povoavam a imaginação do autor de "As crônicas de Spiderwick"
* Cenas do filme e gravura do livro.
Além disto pude ver recentemente algumas fotos de flores que "imitavam" animais e outros seres em suas formas e resolvi dedicar um pouco de minha atenção a estes detalhes.
Devo dizer que o resultado foi fascinante!!!


A Orquídea "Ogro"...alguém não consegue ver a semelhança com este personagem das fábulas?
Ao olhar para estas plantas através do tubo de extensão, mudando um pouco o ângulo de visão tradicional e principalmente abstraindo-se da concepção existente de uma imagem, comecei a ver uma infinidade de formas e possibilidades. Assim como o personagem do livro / filme que ao usar um monóculo podia Ver uma nova realidade, povoada por seres fantásticos, a macrofotografia me abriu as portas para um novo Mundo!

Pequenas aves sugando o néctar das flores?

Uma ave em voo?


Bandos de pássaros?





Ao olhar para cada flor surgiam formas intrigantes e reveladoras...
Convido vocês a "abrirem os seus Olhos".


A cabeça de um macaco...

O crânio de uma vespa...

Um pequeno polvo...


A cabeça de um jaguar...

Um morador dos Andes com suas vestimentas típicas...

Os meus preferidos, os Gnomos...





Uma pequena aranha...

O Chapeleiro Maluco do país das Maravilhas...



Mais um Ogro...



Bom...assim como o personagem que dá nome ao conto (o tal Spiderwick) espero que não me internem em nenhuma instituição depois deste post...rsrsrsrsrs.
Na verdade quero apenas mostrar e sugerir que como fotógrafos e artistas podemos "Ver" o mundo através de uma nova e inusitada óptica. E é isto o que nos diferencia dos simples "apertadores de botão" que tanto povoam as mídias sociais e que - infelizmente - saturam o mercado profissional.
Espero que gostem...